20090331

à porta


ni.sp-2008.

catarina sentou-se no tapete do degrau da entrada, não queria voltar para dentro, preferia estar ali, quieta e sossegada, sem ter que conversar ou sorrir ou deambular aparentemente despreocupada.
calculou pacientemente quanto demoraria se estivesse a fumar um cigarro, vá, uma cigarrilha. inspirou o ar frio da noite, cheirou a erva cortada de fresco e as lareiras da vizinhança e por fim expirou um sorriso satisfeito, feito de contentamento e reentrou.